Mtodos Quantitativos e Economia Internacional Anlise de MarketShare

  • Slides: 24
Download presentation
Métodos Quantitativos e Economia Internacional Análise de “Market-Share” Constante

Métodos Quantitativos e Economia Internacional Análise de “Market-Share” Constante

Referências bibliográficas LEAMER, E. E. & R. M. STERN. Quantitative International Economics. Chicago, Aldine

Referências bibliográficas LEAMER, E. E. & R. M. STERN. Quantitative International Economics. Chicago, Aldine Publishing Company. 1970 Rocha, L. E. V e Mendonça, T. G. de; Desempenho das exportações de soja em grão: uma análise de constant market share. http: //www. sober. org. br/palestra/12/03 O 182. pdf Rocha, L. E. V e Mendonça, T. G. de; Desempenho das exportações brasileiras de óleo de soja: uma análise de constant market share. http: //www. sober. org. br/palestra/12/03 P 194. pdf STALDER, S. H. G. M. Análise da participação do Brasil no mercado internacional do açúcar. Piracicaba, 1007. 121 p. Dissertação (Mestrado) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”/ Universidade de São Paulo, 1997.

Análise do Desempenho Exportador Definição A análise de Market Share Constante (MSC) é uma

Análise do Desempenho Exportador Definição A análise de Market Share Constante (MSC) é uma forma de investigar o comércio internacional de um país, decompondo a variação total das exportações de um determinado país ou região em direcionadores ou “efeitos”. Dessa forma, permite a identificação da contribuição de cada direcionador para determinar o resultado final.

Análise do Desempenho Exportador Trata-se de uma forma relativamente simples de analisar padrões de

Análise do Desempenho Exportador Trata-se de uma forma relativamente simples de analisar padrões de crescimento complexos. Pode proporcionar inferências úteis para delinear estratégias de exportação, bem como avaliar as políticas existentes. Assume uma norma de participação constante para cada efeito, exceto pelo efeito competitividade.

Análise do Desempenho Exportador É comumente utilizado como indicador de desempenho das exportações de

Análise do Desempenho Exportador É comumente utilizado como indicador de desempenho das exportações de um país. O método de Market-Share constante permite inferir, por exemplo, o motivo pelo qual o país pode ter sido bem sucedido (ou “falhado”) em crescer tão rapidamente quanto a média mundial. Ou seja, o que levou o país a aumentar (ou reduzir) sua participação no comércio de um (ou mais) produto em um (ou mais) mercado importador.

Desvantagens • Trata-se de uma descrição, sem possibilitar qualquer inferência quanto às causas de

Desvantagens • Trata-se de uma descrição, sem possibilitar qualquer inferência quanto às causas de determinado desempenho. • Erros de medida nos dados ficam expressos nos resultados. • É preciso cautela para aplicar o indicador correto. A participação no mercado pode variar entre os anos, induzindo a resultados que não expressam adequadamente um padrão. - Para minimizar tal problema, sugere-se o emprego de participação média para determinados períodos de tempo (geralmente a média de 3 anos).

A Técnica • Consiste em comparar o desempenho exportador considerando a variação entre dois

A Técnica • Consiste em comparar o desempenho exportador considerando a variação entre dois períodos de tempo. • A versão tradicional proposta por Leamer & Stern decompõe a mudança absoluta nas exportações em: • i. Efeito Crescimento do Comércio Mundial; • ii. Efeito Composição dos Mercados Importadores ou de destino das exportações; • iii. Efeito Composição da Pauta Exportadora ou tipo de produto exportado (será considerado apenas um tipo no exemplo, por simplificação). Os 3 efeitos acima pressupõem a norma de Market share Constante • iv. Um componente residual (e), que é interpretado como o Efeito Competitividade. Trata-se da diferença entre o desempenho efetivo e o desempenho assumindo alguma norma de MSC.

Definição de Variáveis para entender o MSC Para um determinado produto, tem-se: V 0

Definição de Variáveis para entender o MSC Para um determinado produto, tem-se: V 0 j: Valor do total de exportações pelo país A ao país j no período 0; V 1 j : Valor do total de exportações pelo país A ao país j no período 1; rj = taxa de variação percentual das exportações totais mundiais para o país j, do Período 0 ao Período 1. Valor do total importado por país (de todas as possíveis origens). r. M = taxa de variação percentual das exportações totais mundiais do Período 0 ao Período 1. Valor do total importado em um mercado. S j V 0 j = V 0. Soma do valor exportado pelo país A, considerando todos os j países no período 0. S j V 1 j = V 1. Soma do valor exportado pelo país A, considerando todos os j países no período 1.

Primeiro Nível de Desagregação: O nível 1 da análise divide o crescimento das exportações

Primeiro Nível de Desagregação: O nível 1 da análise divide o crescimento das exportações do País A em: - Porção associada ao Efeito Crescimento Mundial das exportações, e - Valor residual - interpretado como efeito competitividade do País A.

Diferenciando a variação das exportações devido ao Efeito Crescimento Mundial Considera-se que as exportações

Diferenciando a variação das exportações devido ao Efeito Crescimento Mundial Considera-se que as exportações totais de A aumentam em r. MV 0. em função do efeito crescimento do mercado mundial entre dois períodos: 0 e 1. Tomando-se a seguinte identidade: V 1. – V 0. = ( V 1. – V 0. ) e a seguir somando-se e subtraindo-se (r. MV 0. ) à direita da identidade: V 1. – V 0. = r M V 0. + ( V 1. - V 0. - r M V 0. ) Rearranjando-se: V 1. - V 0. = (r. M V 0. ) + (V 1. - V 0. – r. M V 0. ) (1)

A porção das exportações de A (entre os períodos 0 a 1), associada à

A porção das exportações de A (entre os períodos 0 a 1), associada à variação total mundial das exportações é expressa como : (r. M V 0. ) Interpretação: o quanto as exportações do país sob análise aumentariam (diminuiriam), caso a variação fosse positiva (negativa) e igual à média mundial - Efeito Crescimento Mundial O segundo termo representa um resíduo, ou seja, quanto as exportações aumentaram por outras causas que não o crescimento mundial. Mais especificamente, se a taxa de variação da exportação do país A se iguala à variação média mundial, o aumento seria expresso por (1). V 1. - V 0. = (r. M V 0. ) + (V 1. - V 0. – r. M V 0. )

Segundo nível de desagregação: O nível 2 da análise divide o crescimento das exportações

Segundo nível de desagregação: O nível 2 da análise divide o crescimento das exportações do País A em 3 direcionadores: - Porção associada ao Efeito Crescimento Mundial; - Porção associada ao Efeito Composição do Mercado Importador; - Valor residual - Efeito competitividade do País A.

Desagregação de Componentes Efeito Composição do Mercado Exportador Considerar a seguir, a variação entre

Desagregação de Componentes Efeito Composição do Mercado Exportador Considerar a seguir, a variação entre períodos valores de exportação, por país de destino ou importador (j): V 1. – V 0. = Sj rj. V 0 j + Sj (V 1 j – V 0 j – rj. V 0 j ) (2) Tomando-se a expressão agregada de 2 para todos os países de destino e somando-se e subtraindo-se (r. MV. 0) obtém-se: V 1. – V 0. = Sj rj. V 0 j + Sj (V 1 j – V 0 j – rj. V 0 j) + r. MV 0 - r. MV 0 Rearranjando-se, obtém-se: V 1. – V 0. = r. MV 0. + Sj (rj – r. M). V 0 j + Sj (V 1 j – V 0 j – rj. V 0 j ) (3)

Interpretação dos termos • O primeiro termo à direita da identidade expressa o quanto

Interpretação dos termos • O primeiro termo à direita da identidade expressa o quanto as exportações do país sob análise aumentariam (diminuiriam), caso a variação fosse positiva (negativa) e igual à média mundial (r. MV 0). • V 1. – V 0. = r. MV 0. + Sj (rj – r. M). V 0 j + Sj (V 1 j – V 0 j – rj. V 0 j ) (3)

Interpretação dos termos • O segundo termo à direita da identidade expressa o quanto

Interpretação dos termos • O segundo termo à direita da identidade expressa o quanto as exportações do país aumentariam (diminuiriam) devido ao Efeito Composição do Mercado Importador. • Caso a variação [Sj (rj - r. M)V 0 j] seja positiva (negativa), mostra o quanto as exportações aumentam porque a taxa de crescimento do mercado importador é superior à média mundial. V 1. – V 0. = r. MV 0. + Sj (rj – r. M). V 0 j + Sj (V 1 j – V 0 j – rj. V 0 j ) (3)

Interpretação dos termos V 1. – V 0. = r. MV 0. + Sj

Interpretação dos termos V 1. – V 0. = r. MV 0. + Sj (rj – r. M). V 0 j + Sj (V 1 j – V 0 j – rj. V 0 j ) (3) O terceiro termo representa um resíduo, ou seja, o quanto as exportações aumentaram por outras causas que não a composição do mercado importador. Sj (V 1 j – V 0 j – rj. V 0 j ) • De outra forma, pode-se identificar como a diferença entre a variação no volume de exportação efetivamente observada e o volume que teria ocorrido, caso o país tivesse mantido o seu Market share em cada um de seus mercados importadores.

Exercício Livro Leamer & Stern • Ver exemplo nas páginas 180 e 181.

Exercício Livro Leamer & Stern • Ver exemplo nas páginas 180 e 181.

Procedimento – outro exemplo No exemplo a seguir, considera-se que as exportações não são

Procedimento – outro exemplo No exemplo a seguir, considera-se que as exportações não são diferenciadas quanto ao tipo. As exportações podem ser consideradas como “um único bem” – óleo de soja. Trata-se da análise do desempenho exportador de um país (Brasil) para o óleo de soja. Consideram-se dois períodos para a análise (um período antes e outro após a liberalização comercial brasileira). Toma-se a média de 3 anos para dois períodos (86/87/88 e 93/93/95) para calcular os valores médios de exportação por período. Permite identificar/ inferir o quanto da variação na participação relativa do Brasil no mercado de óleo de soja deve-se (i) ao Efeito Crescimento do Mercado de óleo de soja mundial, (ii) o quanto deve-se ao Efeito Composição do Mercado Exportador e (iii) o quanto deve-se ao Efeito Competitividade.

Considerar o seguinte exemplo PRINCIPAIS MERCADOS IMPORTADORES DE ÓLEO DE SOJA BRASILEIRO 1 PAÍSES

Considerar o seguinte exemplo PRINCIPAIS MERCADOS IMPORTADORES DE ÓLEO DE SOJA BRASILEIRO 1 PAÍSES China Bangladesh P. Baixos Irã Índia RM TOTAL TOTIMP (1000 t) 251 171 85 348 295 3536 4686 1986/87/88 EXPBRASIL PARTBRASIL (%) (1000 t) 55 21. 9 7 4. 1 5 5. 9 84 24. 1 87 29. 5 301 8. 5 539 11. 5 TOTIMP (1000 t) 923 200 125 517 56 4905 6726 1993/94/95 EXPBRASIL PARTBRASIL (%) (1000 t) 572 62. 0 147 73. 5 110 88. 0 182 35. 2 13 23. 2 1024 20. 9 2048 30. 45 PRINCIPAIS MERCADOS IMPORTADORES DE ÓLEO DE SOJA PAÍSES China Bangladesh P. Baixos Irã Índia RM 1986/87/88 (a) TOTIMP (1000 t) 251 171 85 348 295 3536 1993/94/95 (b) TOTIMP (1000 t) 923 200 125 517 56 4905 (b-a)/a VAR(%) 267. 73 16. 96 47. 06 48. 56 -81. 02 38. 72

Exemplo de procedimento para cálculo de MSC 1986/87/88 4686 (A 1) 539 (B 1)

Exemplo de procedimento para cálculo de MSC 1986/87/88 4686 (A 1) 539 (B 1) 11, 50 (C 1) Importação mundial Exportação brasileira Market-share (%) Variação exp. Total Brasil (B 2 -B 1) Market-share 1986/87/88 Market-Share 1986/87/88 por país sobre importações no período 1993/94/95 EFEITOS (ganhos e perdas) Var. da exportação total do Brasil (B 2 -B 1) 1993/94/95 6726 (A 2) 2048 (B 2) 30, 45(C 2) 1509 (D) 773. 49 (E) 775, 75 (F) (ver no slide a seguir como se chega neste valor) (em 1000 t) 1509 (%) 100 Tamanho do mercado Composição de mercado (E-B 1) (F-E) 234, 65 2, 26 15, 54 0, 15 Competitividade (B 2 -F) 1272, 25 84, 31

Calculando Efeito Composição de Mercado PAÍSES 86/87/88 EXPBRASIL TOTIMP (1000 t) PARTBRASIL (%) TOTIMP

Calculando Efeito Composição de Mercado PAÍSES 86/87/88 EXPBRASIL TOTIMP (1000 t) PARTBRASIL (%) TOTIMP (1000 t) 93/94/95 EXPBRASIL PARTBRASIL (1000 t) (%) China 251 55 21. 9 923 572 62 Bangladesh 171 7 4. 1 200 147 73. 5 P. Baixos 85 5 5. 9 125 110 88 Irã 348 84 24. 1 517 182 35. 2 Índia 295 87 29. 5 56 13 23. 2 RM 3536 301 8. 5 4905 1024 20. 9 TOTAL 4686 539 11. 5 6726 2048 30. 45 86/87/88 93/94/95 TOTIMP PARTBRASIL (%) (1000 t) (a) =(a/100)*(b) 21. 9 923 202. 137 4. 1 200 8. 2 5. 9 125 7. 375 24. 1 517 124. 597 29. 5 56 16. 52 8. 5 4905 416. 925 775. 754 Soma dos valores

Interpretação do exemplo apresentado O Efeito Crescimento do Mercado é calculado considerando-se que o

Interpretação do exemplo apresentado O Efeito Crescimento do Mercado é calculado considerando-se que o Market share brasileiro não se altera do primeiro para o segundo período e portanto, qual é o aumento de valor total das exportações brasileiras devido ao aumento nas exportações mundiais (passando de 4686 para 6726). O Efeito Mercado Importador perde bastante sua importância entre os períodos particularmente porque o único país para o qual a demanda aumentou consideravelmente (China), representava apenas 22% das exportações brasileiras no período inicial. A Índia, que representava quase 30% das exportações no período inicial, apresenta uma redução acentuada nas suas importações. Além disso, Bangladesh e RM também apresentam aumento inferior ao mercado como um todo. Países baixos e Irã tem um crescimento pouco acima do mercado como um todo.

Interpretação do exemplo apresentado Como os dois primeiros efeitos são relativamente baixos, o resíduo,

Interpretação do exemplo apresentado Como os dois primeiros efeitos são relativamente baixos, o resíduo, interpretado como Efeito Competitividade assume um percentual elevado. Como mais de 80% do aumento nas exportações não podem ser explicadas pela expansão no mercado ou pela composição do mercado importador, acredita-se que o Efeito Competitividade do país teve papel preponderante no avanço das exportações da commodity no segundo período.

Limitações Não é um procedimento que permite obter resultados robustos (depende totalmente dos dados,

Limitações Não é um procedimento que permite obter resultados robustos (depende totalmente dos dados, período, etc). Não permite verificar relação de competitividade direta entre exportadores que competem por um mesmo mercado. O método tem um caráter retrospectivo – explica algo que aconteceu (não deve ser utilizado como base para previsão).