Kreimer Pablo por Joao Mansano mansanoutfpr edu br

  • Slides: 37
Download presentation
Kreimer, Pablo por: Joao Mansano mansano@utfpr. edu. br www. pessoal. utfpr. edu. br/mansano 1

Kreimer, Pablo por: Joao Mansano [email protected] edu. br www. pessoal. utfpr. edu. br/mansano 1

n Um espião – a mosca na parede n Penetrar o santuário da ciência

n Um espião – a mosca na parede n Penetrar o santuário da ciência ( >> promessa de solução e garantia comprovada) 2 / 37

n Conhecimentos científicos: q q Tanto publicados em revistas especializadas >> rótulo de acreditáveis

n Conhecimentos científicos: q q Tanto publicados em revistas especializadas >> rótulo de acreditáveis >> “verdades” Quanto os incorporados na sociedade (interação com a natureza de uma tribo) # “Momentito!” o conhecimento científico é radicalmente diferente de outras formas de conhecimento. . . Prog f soc bloor 3 / 37

n provocação: conhecimento científico = uma crença n ciência = resultado de processos racionais

n provocação: conhecimento científico = uma crença n ciência = resultado de processos racionais de observação e experimentação n Domínio de leis ocultas que governam o mundo físico e natural n Para ciência não pode ter dúvida >> se aceita se comprova ou a refuta 4 / 37

n Mas conhecimento é uma prática social Cientista também é sujeito social n Desafio:

n Mas conhecimento é uma prática social Cientista também é sujeito social n Desafio: n q mostrar o caráter “Profano-social da ciência” n avaliar base social da atual sociedade do conhecimento >> rebeldes e hereges 5 / 37

17 n n n Não é possível imaginar mundo sem ciência. . . –

17 n n n Não é possível imaginar mundo sem ciência. . . – desfruta-se naturalmente dos seus benefícios Em que consiste a ciência? Quem financia? É por amor ao conhecimento? Quem decide o que investigar? Ciência é uma atividade Universal? Estudos sociais da Ciência 6 / 37

n Ciência e tecnologia tem “aspectos sociais” – (óbvio) q q n Chernobyl ▼

n Ciência e tecnologia tem “aspectos sociais” – (óbvio) q q n Chernobyl ▼ Estudo do DNA ▲ como a sociedade interpreta (Dimensões Sociais) >> não está claro 7 / 37

19 -23 história n Ciência Moderna q Institucionalização n n q Profissionalização n n

19 -23 história n Ciência Moderna q Institucionalização n n q Profissionalização n n q Academias / Itália. . . França Separação >> prova científica / fé, crença carreira >> dinheiro “Nós, os cientistas” – demarcação de “espaços” Industrialização n n Grande ciência – desenv. grandes equipes Investigação livre (países desenvolvidos) 8 / 37

ciência, tecnologia e sociedade (Merton) n n ciência – desenvolvimento da tecnologia – sociedade

ciência, tecnologia e sociedade (Merton) n n ciência – desenvolvimento da tecnologia – sociedade industrial > surgem mesmo intervalo q Busca da verdade q Geração de aplicação prática q Influência no desenv. do conhecimento “Ar da época” – cientista autônomos na escolha: q temas q métodos (Alemanha Nazista X Ciência Judia) 9 / 37

n n n Ciência Burguesa – Mendel – (herança) X Ciência Proletária – Lysenko

n n n Ciência Burguesa – Mendel – (herança) X Ciência Proletária – Lysenko – (mudança hereditária) Merton: 1º. Programa sociológico de investigação sistemática sobre a ciência q dinâmica e normas da comunidade científica 10 / 37

n n Tomada de Consciência – Efeitos +/- Ciência+desenvolvimento capitalista da sociedade industrial q

n n Tomada de Consciência – Efeitos +/- Ciência+desenvolvimento capitalista da sociedade industrial q q q n n Hiperconsumo Degradação do meio ambiente Desumanização Grupos de ecologia política Questionamento urbi et orbi 11 / 37

ruptura com a “equação otimista” n utopia positivista: q n A ciência e a

ruptura com a “equação otimista” n utopia positivista: q n A ciência e a tecnologia geram soluções para seus próprios problemas Começo do fim do ideal de autonomia (Bourdieu) 12 / 37

n Crise do Petróleo - 1973 q q n Movimento (OPEP) paises em desenvolv.

n Crise do Petróleo - 1973 q q n Movimento (OPEP) paises em desenvolv. >> aumento dos preços Racionamento Contribuição da Ciência – uso da energia nuclear=bomba=destruição em massa q Nova idéias sobre energia n n Produção – uso – sua natureza Volta a por o desenv. científico sob a lupa da sociedade 13 / 37

Ciência – produto social q ▼ Visão ingênua - Cientistas vistos de fora (Merton)

Ciência – produto social q ▼ Visão ingênua - Cientistas vistos de fora (Merton) n n n q como se organizavam como se relacionavam que recursos utilizavam como publicavam e avaliavam suas publicações Em espaços de racionalidades profundas ▲ Prática de um método, sem ingerências n n Nenhum aspecto social Sociólogos nada teriam a observar 14 / 37

n Sociólogos q n Estudar a ciência cientificamente Laboratórios Caixa Preta Aspectos conhecimento separados

n Sociólogos q n Estudar a ciência cientificamente Laboratórios Caixa Preta Aspectos conhecimento separados em “internos e externos” >>> recursos <<< publicações cientìficas ? ? ? o que se fazia la dentro 15 / 37

n Caráter completamente social de todo conhecimento científico q q n n n David

n Caráter completamente social de todo conhecimento científico q q n n n David Bloor – Escola de Edimburgo Programa Forte de sociologia As matemáticas são sociais de qualquer ponto de vista Os conhecimentos científicos são crenças sociais como qualquer outra. Crenças ou estados do conhecimentos tem causas sociais que os sociólogs devem identificar 16 / 37

n n BLOOR, Conhecimento e Imaginário Social (1976) KUHN, A estrutura das revoluções científicas

n n BLOOR, Conhecimento e Imaginário Social (1976) KUHN, A estrutura das revoluções científicas q Todo grupo científico tem existência: n n Social cognitiva Indissociáveis – Ciência feita - verdadeira 17 / 37

n n n Deixar ciência feita para investigar ciência enquanto se faz. Não existe

n n n Deixar ciência feita para investigar ciência enquanto se faz. Não existe separa em CTS CT são em si processos sociais como qualquer outro. 18 / 37

n n Sociólogos – intrusos Latour – provocador q n Dê-me um laboratório e

n n Sociólogos – intrusos Latour – provocador q n Dê-me um laboratório e moverei o mundo (artigo) Sociólogos – fazer com os cientistas o mesmo que eles fazem com o ratos de laboratório. Mas aqueles falam (e mordem). . . 19 / 37

n E então, para que serve a ciência? q Dois debates (uma questão): n

n E então, para que serve a ciência? q Dois debates (uma questão): n n autonomia dos cientistas x intervenção Investigações de caráter público ou interesse privado Resposta: para aumentar o conhecimento sobre o mundo físico, natural e social. . . Mas deve servir para “algo mais”. . . E isto está condicionado a quem expõe. . . 20 / 37

n Bernal – cientista inglês - década de 20 n n n investigador laboratório

n Bernal – cientista inglês - década de 20 n n n investigador laboratório Militante de esquerda x historiador da ciência Divulgar conhecimento adquiridos na guerra Livro: “A função social da Ciência” Ciência: (países desenvolvidos) n n espaço racional e democrático sem privilégio de classes distribuição equitativa dos bens orientada para o progresso 21 / 37

n Bernal – o marxismo transforma a ciência e lhe dá maior alcance e

n Bernal – o marxismo transforma a ciência e lhe dá maior alcance e significado. . . n ciência como novo modelo social 22 / 37

Década 60 - Bernal n Paises subdesenvolvido (eufemismo: “em vias” de desenvolvimento) q q

Década 60 - Bernal n Paises subdesenvolvido (eufemismo: “em vias” de desenvolvimento) q q recursos naturais a história a cultura a estrutura de cada sociedade 23 / 37

n Teorias mais clássicas q q Caminho único para o desenvolvimento Rostow – “decolagem”

n Teorias mais clássicas q q Caminho único para o desenvolvimento Rostow – “decolagem” – fases: n n n sociedade tradicional e arcaica a prepraração do arranque o aumento da taxa de investigações (impulso) a marcha para a maturidade consumo de massa (decisiva para “decolagem” >> crescimento = fenômeno normal) 24 / 37

n Muito discutida: q q n caminho único todo subdesenvolvimento como atraso histórico >>

n Muito discutida: q q n caminho único todo subdesenvolvimento como atraso histórico >> garantia de desenvolvimento após todas as fases O que isto tem a ver com a ciência? 25 / 37

n Modelo linear de inovação q “Ciência, a fronteira sem fim” (Vannevar Bush) recursos

n Modelo linear de inovação q “Ciência, a fronteira sem fim” (Vannevar Bush) recursos (Fogo) • investigação básica Inovação • ciência aplicada • desenvolvimento • Derramar Inovação toda sociedade • Desenvolvimento Experimental Ciência Aplicada Ciência Básica Recursos n Modelo Ofertista Linear 26 / 37

n Modelo Ofertista Linear q q q oferta do conhecimento Motor do sistema de

n Modelo Ofertista Linear q q q oferta do conhecimento Motor do sistema de inovação Modelo contestado – praticamente falso n n A historia da ciência e da tecnologia poucas inovações seguem o caminho linear Funcionou bem Guerra Fria – políticas de C&T Tudo aquilo que é bom para a Ciência é bom para a sociedade Apoio a investigação básica = benefícios sociais 27 / 37

n América Latina q q Preocupação com o desenvolvimento desta região Influência das ideias

n América Latina q q Preocupação com o desenvolvimento desta região Influência das ideias da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL) Como converter C&T em instrumentos de desenvolvimento latinoamericano. . . Corrente engenheiros e cientistas – preocupações intelectuais e políticas – crítica ao modelo linear de inovação –perverso e inadequado para AL 28 / 37

n Pensamento latinoamericano em ciência, tecnologia e desenvolvimento q q Tentar caminho próprio Gerar

n Pensamento latinoamericano em ciência, tecnologia e desenvolvimento q q Tentar caminho próprio Gerar conhecimento sem dependência dos países ricos Projeto políticos nacionais de C&T para desenvolvimento econômico e social 29 / 37

n Ciência para resolver problemas sociais q q n vacinas em epidemias Crise do

n Ciência para resolver problemas sociais q q n vacinas em epidemias Crise do petróleo >> energias alternativas Problemas sociais >> promoção e uso do conhecimento científico 30 / 37

n Gerar conhecimento Problema Social Intervenção Pública Geração de conhecimento n Mas “gerar conhecimento”

n Gerar conhecimento Problema Social Intervenção Pública Geração de conhecimento n Mas “gerar conhecimento” não é a única decisão possível 31 / 37

n Exemplo regional – doença latinoamericana q Doença de Chagas Problema Social Geração de

n Exemplo regional – doença latinoamericana q Doença de Chagas Problema Social Geração de conhecimento Intervenção Pública Avaliação das alternativas Queimar ranchos Construção de cimento Ciência criar vacinas Ciência criar inseticidas 32 / 37

n n Esquema um pouco melhor. . . mas para coisa “dada” Grupos sociais

n n Esquema um pouco melhor. . . mas para coisa “dada” Grupos sociais são convencidos que de fato determinado fenômeno é um problema q q n Divórcio Desemprego A ciência/cientista participa dos problemas sociais 33 / 37

n Gusfield q Investigou os “investigadores” n n n Consumo de álcool x acidente

n Gusfield q Investigou os “investigadores” n n n Consumo de álcool x acidente transito > Camada de oxônio e todas as políticas a partir daí A ciência/cientista participa dos problemas sociais n Os modos de solução de um problema estão muito ligados ao modo como foram construídos 34 / 37

n n O tipo de decisão a ser tomada para abordar a questão dependerá

n n O tipo de decisão a ser tomada para abordar a questão dependerá do modo como ela é instituída Mas. . . Nenhum conhecimento cura uma doença. . Nem gera mais energia. . . Nem produz agua potável. . . Alimentação. . . 35 / 37

n n n Objetivar >> Produto, processo ou prática social (e econômica) ou transformação

n n n Objetivar >> Produto, processo ou prática social (e econômica) ou transformação de um conhecimento >>> “Industrialização” (não somente pela indústria tradicional mas por um programador, hospital, município. . . Não basta o “Pensamento mágico” – ilusão de que o conhecimento é suficiente para resolver um problema social >> Ficção 36 / 37

n Esta ficção na vida cotidiana é comum e não é algo tão grave.

n Esta ficção na vida cotidiana é comum e não é algo tão grave. . . n Mas é grave quando as ações para solução de problemas sociais “se sustentam na ficção de uma relação direta entre conhecimento e sociedade” 37 / 37