INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL DO NORDESTE

  • Slides: 43
Download presentation
INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL DO NORDESTE IDES NORDESTE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO EDUCACIONAL E SOCIAL DO NORDESTE IDES NORDESTE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA DISCIPLINA: A CRIANÇA E A CONSTRUÇÃO LÓGICA C/H: 30 Professora: Taina Azevedo Especialista: Gestão Educacional tainaazevedo [email protected] com

A Construção do Conhecimento Lógico. Matemático: Aspectos Afetivos e Cognitivos Deixamos passar despercebido o

A Construção do Conhecimento Lógico. Matemático: Aspectos Afetivos e Cognitivos Deixamos passar despercebido o processo do aprender das crianças, sem dar conta dos problemas por elas enfrentados, decorrentes de alguma natureza ou fator. Interação entre a aprendizagem e a afetividade como sucesso do bom desenvolvimento cognitivo. Afetividade positiva, confiança, auto-estima e entusiasmo favorecem o processo de ensinoaprendizagem.

 A falta de interação, acarreta incertezas- baixa auto-estima, havedo problemas de aprendizagem como

A falta de interação, acarreta incertezas- baixa auto-estima, havedo problemas de aprendizagem como deficiência na leitura e na escrita, falta de habilidade de pensamento lógico, imaturidade intelectual e social, dificuldades em compreender conceitos de tempo e referência de espaço. A aprendizagem - processo contínuo, gradual em que cada indivíduo tem seu ritmo, seja ele mais lento ou mais rápido, desde o seu nascimento até o último dia de sua vida, e este desenvolvimento depende da herança genética de cada indivíduo, de sua maturação do sistema nervoso e de seu esforço, interesse e envolvimento.

 De acordo com Wadsworth (2003), “os esquemas mudam continuamente, estes são nada menos

De acordo com Wadsworth (2003), “os esquemas mudam continuamente, estes são nada menos que estruturas mentais cognitivas pelas quais os indivíduos intelectualmente se adaptam e organizam o meio”. Ao nascermos, os esquemas são de natureza reflexa, na medida em que nos desenvolvemos, os esquemas tornam-se mais sensórios, mais numerosos tornando-se mais complexos estando em constante processo de construção e reconstrução. Assimilação Acomodação

 Assimilação - o organismo encaixa os estímulos à estrutura que já existe. Somente

Assimilação - o organismo encaixa os estímulos à estrutura que já existe. Somente acrescenta à estrutura existente uma mudança quantitativa Acomodação o organismo muda a estrutura para encaixar o estímulo. O processo de acomodação resulta numa mudança qualitativa na estrutura intelectual (esquemas).

Graus de crescimento de aprendizagem Criança Vida adulta Velhice

Graus de crescimento de aprendizagem Criança Vida adulta Velhice

A lógica da criança

A lógica da criança

Jean Piaget Um dos mais importantes pesquisadores de educação e pedagogia, nasceu na cidade

Jean Piaget Um dos mais importantes pesquisadores de educação e pedagogia, nasceu na cidade de Neuchâtel (Suíça) em 9/08/1896 e morreu em 17/9/1980. Especializou-se em psicologia evolutiva e também no estudo de epistemologia genética. Seus estudos sobre pedagogia revolucionaram a educação, pois derrubou várias visões e teorias tradicionais relacionadas à aprendizagem.

Estágios do desenvolvimento da criança.

Estágios do desenvolvimento da criança.

 Quando a criança se encontra em um ambiente que desfavorece seu desenvolvimento pode

Quando a criança se encontra em um ambiente que desfavorece seu desenvolvimento pode acorrer um atraso intelectual e cultural podendo transformar crianças capacitadas em crianças com potencial abaixo do nível esperado provocando uma desarmonia evolutiva impedindo a aprendizagem normal. É recomendável que a criança entre para a escola com certo amadurecimento social capaz de adaptar-se a novas situações e relações, permitindo um controle emocional benéfico ao seu desenvolvimento cognitivo.

 Para ampliar os conceitos estruturados, elaborando e reelaborando novas idéias e pensamentos, faz-se

Para ampliar os conceitos estruturados, elaborando e reelaborando novas idéias e pensamentos, faz-se necessário que o aprender aconteça de forma provocante, significativa, relacionada ao cotidiano e realidade da criança. Nas palavras de José e Coelho (2002) “para ser significativa, é necessário que a aprendizagem envolva raciocínio, análise, imaginação e relacionamento entre idéias, coisas e acontecimentos”.

Constance Kamii Constance Kazuko Kamii é uma psicóloga. Filha de pai japonês , viveu

Constance Kamii Constance Kazuko Kamii é uma psicóloga. Filha de pai japonês , viveu no Japão até os 18 anos, transferindose depois para os Estados Unidos, onde em 1955 bacharelou-se em sociologia. Mestra em educação e doutora em educação e psicologia, pela Universidade de Michigan. Kamii foi aluna e colaboradora de Jean Piaget, tendo feito diversos cursos de Pós-Doutorado relacionados com a epistemologia genética, e com outras áreas educacionais pertinentes tanto à teoria piagetiana como de outros pesquisadores. Atualmente é professora da Universidade do Alabama.

A CRIANÇA E O NÚMERO CONSTANCE KAMII A NATUREZA DO NÚMERO Os conhecimentos diferenciam-se,

A CRIANÇA E O NÚMERO CONSTANCE KAMII A NATUREZA DO NÚMERO Os conhecimentos diferenciam-se, considerando suas fontes básicas e o modo de estruturação, em três tipos: conhecimento físico, lógico-matemático e social (convencional). O conhecimento físico e o social são parcialmente externos ao indivíduo enquanto que a fonte do conhecimento lógico-matemático é interna. O conhecimento físico é o conhecimento dos objetos da realidade externa: são as propriedades físicas que podem ser conhecidas pela observação. Entretanto, a relação entre as propriedades físicas de dois objetos é construída a partir do conhecimento lógico-matemático. É também o pensamento lógico-matemático que atua quando analisamos numericamente os objetos, estabelecendo relações de igual, diferente, mais etc. Assim “ número é uma relação criada mentalmente por cada indivíduo. ”

 Segundo Piaget, existem dois tipos de abstração: Empírica (ou simples) que consiste em

Segundo Piaget, existem dois tipos de abstração: Empírica (ou simples) que consiste em focalizar uma certa propriedade do objeto e ignorar as outras; Abstração reflexiva que envolve a construção de relações entre os objetos. O número é, de acordo com Piaget, “uma síntese de dois tipos de relações que a criança elabora entre os objetos (por abstração reflexiva). Uma é a ordem e a outro é a inclusão hierárquica. ”

 OBJETIVOS PARA “ENSINAR” NÚMERO È preciso estimular, nas crianças, a autonomia para estabelecer

OBJETIVOS PARA “ENSINAR” NÚMERO È preciso estimular, nas crianças, a autonomia para estabelecer entre os objetos, fatos e situações todos os tipos possíveis de relação. Autonomia Heterônoma É muito importante destacar que a autonomia é indissociavelmente social, moral e intelectual. o conceito de número não pode ser “ensinado” às crianças pela via da apresentação e repetição desse conceito pelo professor. É preciso que as crianças construam estruturas mentais para abarcar esse conceito e a melhor forma de fazer isso é estimulando-as a colocar todas as coisas em todos os tipos de relações.

 PRINCÍPIOS DE ENSINO -A criação de todos os tipos de relações. -A quantificação

PRINCÍPIOS DE ENSINO -A criação de todos os tipos de relações. -A quantificação de objetos. -Interação social com os colegas e os professores.

SITUAÇÕES ESCOLARES QUE O PROFESSOR PODE USAR PARA “ENSINAR” NÚMERO VIDA DIÁRIA -A distribuição

SITUAÇÕES ESCOLARES QUE O PROFESSOR PODE USAR PARA “ENSINAR” NÚMERO VIDA DIÁRIA -A distribuição de materiais - A divisão de objetos - A coleta de coisas -Manutenção de quadros de registros -Arrumação da sala -Votação JOGOS EM GRUPO

RELAÇÕES NECESSÁRIAS PARA CONSTRUIR O CONCEITO DE NÚMERO O número faz parte do conhecimento

RELAÇÕES NECESSÁRIAS PARA CONSTRUIR O CONCEITO DE NÚMERO O número faz parte do conhecimento matemático. Criança- pegue, junte, separe, aperte, amasse, formule conceitos e ações próprias do conhecimento- matemático. Manipulando objetos serão trabalhados os setes esquemas mentais básicos para aprendizagem matemática: classificação, comparação, conservação, correspondência, inclusão, sequenciação e seriação (ou ordenação).

 Comparação- determinados objetos são analisados estabelecendo diferenças ou semelhanças entre eles quanto à

Comparação- determinados objetos são analisados estabelecendo diferenças ou semelhanças entre eles quanto à cor, forma, tamanho, espessura, etc. Classificar- é separar objetos, pessoas e idéias em categorias de acordo com características percebidas por meio de semelhanças ou diferenças. Conservação a criança percebe que a quantidade não depende da arrumação, forma ou posição dos objetos. A correspondência biunívoca, também chamada correspondência um, diz que cada elemento do primeiro conjunto deverá corresponder a apenas um elemento do segundo conjunto.

 Segundo Jean Piaget, o número é uma síntese de dois esquemas mentais básicos,

Segundo Jean Piaget, o número é uma síntese de dois esquemas mentais básicos, a ordenação e a inclusão hierárquica. Ordem é a relação que a criança elabora ao contar um determinado número de elementos, sem saltar ou repetir algum; ordenação é a Sequenciação de objetos segundo uma ordem direta e linear de grandeza, ou seja, segundo uma ordem crescente ou decrescente, maior ou menor, etc. Na inclusão hierárquica a criança consegue quantificar os objetos como um grupo. Ao contar, ela nos apontará um número para representar todo o grupo e não apenas o último elemento. A seriação tem papel fundamental na construção de conhecimento matemático.

Teoria do Desenvolvimento Cognitivo de Lev Vygotsky O teórico de desenvolvimento cognitivo Lev Vygotsky

Teoria do Desenvolvimento Cognitivo de Lev Vygotsky O teórico de desenvolvimento cognitivo Lev Vygotsky (1896 – 1934) morreu tragicamente de turbeculose com apenas 38 anos de idade. Apesar de seu desaparecimento prematuro, o valor de Vygotsky geralmente é considerado como segundo apenas ao de Piaget, em função de sua importância para o campo do desenvolvimento cognitivo. Ainda que ele tivesse muitas ideias férteis, duas delas são especialmente importantes para que as consideremos aqui: a internalização e a zona proximal de desenvolvimento.

Internalização Vygotsky enfatiza o papel do ambiente no desenvolvimento intelectual das crianças. Postula que

Internalização Vygotsky enfatiza o papel do ambiente no desenvolvimento intelectual das crianças. Postula que o desenvolvimento procede enormemente de fora para dentro, pela internalização – a absorção do conhecimento proveniente do contexto. Assim, as influências sociais, em vez de biológicas, são fundamentais na sua teoria.

A ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL (ZDP) È a amplitude de capacidade observável (desempenho) de

A ZONA DE DESENVOLVIMENTO PROXIMAL (ZDP) È a amplitude de capacidade observável (desempenho) de uma criança e a capacidade latente (competência) da criança, a qual não é diretamente óbvia . Quando observamos as crianças, o que tipicamente observamos é a capacidade que elas desenvolveram, pela interação da hereditariedade e do ambiente, estamos verdadeiramente interessados no que elas são capazes de fazer – qual seria seu potencial , se estivessem liberadas dos limites de um ambiente que jamais é realmente ótimo. Antes de Vygotsky propor sua teoria, as pessoas estavam inseguras quanto a como avaliar essa capacidade latente.

 Vygotsky recomendava que passássemos de um ambiente de avaliação estático para um ambiente

Vygotsky recomendava que passássemos de um ambiente de avaliação estático para um ambiente de avaliação dinâmico, no qual a interação entre criança e examinador não acaba quando ela responde, especialmente se responde incorretamente. Na testagem estática, quando uma criança dá uma resposta errada, o examinador passa para o problema seguinte. Na avaliação dinâmica, quando ela dá uma resposta errada, o examinador dá-lhe uma sequência gradual de sugestões dirigidas, a fim de facilitar a resolução do problema. Em outras palavras, o examinador funciona tanto como professor quanto como aplicador do teste.

Crianças devem aprender lógica – e não programação?

Crianças devem aprender lógica – e não programação?

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CAMPOS, M. C. M. (orgs. ). Psicopedagogo: uma generalista-especialista em problemas de

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CAMPOS, M. C. M. (orgs. ). Psicopedagogo: uma generalista-especialista em problemas de aprendizagem. In Avaliação psicopedagógica da criança de zero a seis anos. 13 ed. Petrópolis – RJ: Vozes, 2002. JOSË, E. A; COELHO, M. T. Problemas de aprendizagem. 12 ed. São Paulo. Ática, 2002. WADSWORTH, Barry J. , Inteligência e afetividade da criança na teoria de Piaget. 5 ed. São. Paulo: Pioneira Thomsom Learning, 2003. VYGOTSKY, L. S. A Formação Social da Mente. RIO DE JANEIRO: MARTINS FONTES, 1996. VYGOTSKY, L. S. A Formação Social Da Mente: O Desenvolvimento Dos Processos Psicológicos Superiores. Tradução De José Cipolla Neto, Luis Silveira Menna Barreto E Solange Castro Afeche – 5ª Edição. São Paulo: Martins Fontes, 1994 PIAGET, Jean. O Nascimento da Inteligência na Criança. Editora Guanabara. Rio de Janeiro, 1991. . RANGEL, Ana Cristina. Educação Matemática e a construção do número pela criança: uma experiência em contextos sócio-econômicos. Porto Alegre: Artes médicas, 1992. CONSTANCE, Kamii. Editora Papirus, 1992. Revista Nova Escola, novembro 1998.