Federao Esprita Brasileira Estudo Sistematizado da Doutrina Esprita

  • Slides: 11
Download presentation
Federação Espírita Brasileira Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita PROGRAMA FUNDAMENTAL Módulo XIII: Lei de

Federação Espírita Brasileira Estudo Sistematizado da Doutrina Espírita PROGRAMA FUNDAMENTAL Módulo XIII: Lei de Destruição e Lei de Conservação

ROTEIRO 1 Destruição necessária e Destruição abusiva

ROTEIRO 1 Destruição necessária e Destruição abusiva

OBJETIVOS ESPECÍFICOS: • Indicar a finalidade da destruição existente na Natureza. • Estabelecer a

OBJETIVOS ESPECÍFICOS: • Indicar a finalidade da destruição existente na Natureza. • Estabelecer a diferença entre destruição necessária e destruição abusiva.

O QUE SE DEVE ENTENDER POR LEI DE DESTRUIÇÃO?

O QUE SE DEVE ENTENDER POR LEI DE DESTRUIÇÃO?

 • A destruição necessária ocorre na Natureza tendo em vista a natural transformação

• A destruição necessária ocorre na Natureza tendo em vista a natural transformação biológica, a renovação e até a melhoria das espécies. Dessa forma, os Espíritos Superiores nos esclarecem: Preciso é que tudo se destrua para renascer e se regenerar. Porque, o que chamais destruição não passa de uma transformação, que tem por fim a renovação e melhoria dos seres vivos. Allan Kardec: O livro dos espíritos, questão 728

 • A destruição abusiva não está prevista na lei natural porque coloca em

• A destruição abusiva não está prevista na lei natural porque coloca em risco a vida no Planeta. Toda destruição antecipada obsta ao desenvolvimento do princípio inteligente. Por isso foi que Deus fez que cada ser experimentasse a necessidade de viver e de se reproduzir. Allan Kardec: O livro dos espíritos, questão 729.

A [. . . ] lei de destruição é, por assim dizer, o complemento

A [. . . ] lei de destruição é, por assim dizer, o complemento do processo evolutivo, visto ser preciso morrer para renascer e passar por milhares de metamorfoses, animando formas corporais gradativamente mais aperfeiçoadas, e é desse modo que, paralelamente, os seres vão passando por estados de consciência cada vez mais lúcidos, até atingir, na espécie humana, o reinado da Razão. CALLIGARIS, Rodolfo. As leis morais. 11. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2004. Item: A lei de destruição, p. 90.

A denominada lei de destruição melhor se conceituaria, no dizer dos Instrutores Espirituais, como

A denominada lei de destruição melhor se conceituaria, no dizer dos Instrutores Espirituais, como lei de transformação. O que ocorre, na realidade, é a transformação e não a destruição, tanto no que concerne à matéria quanto no que se refere ao Espírito. A célebre anunciação de Lavoisier * — na natureza nada se cria, nada se perde, tudo se transforma — foi uma antevisão científica, no campo da matéria, do que os Espíritos viriam confirmar mais tarde ao Codificador. Tomada como transformação, a norma aplica-se também ao Espírito eterno, indestrutível, mas em contínua mutação, obedecendo à evolução e ao progresso sob os processos mais variados e complexos. SOUZA, Juvanir Borges de. Tempo de transição. 3. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2002. Cap. 35 (A lei de destruição), p. 285.

A destruição abusiva é, sob qualquer pretexto, um atentado à lei de Deus. Nesse

A destruição abusiva é, sob qualquer pretexto, um atentado à lei de Deus. Nesse sentido, o [. . . ] homem tem papel preponderante diante dos demais seres vivos, ao dizimar, em larga escala, os demais seres da criação, seja buscando alimentar a crescente população humana, seja aproveitando os despojos animais e vegetais em inúmeras indústrias de transformação, que lhe proporcionam múltiplas utilidades. SOUZA, Juvanir Borges de. Tempo de transição. 3. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2002. Cap. 35 (A lei de destruição), p. 285 -286.

Sabemos, entretanto, que a destruição abusiva irá desaparecer, paulatinamente, da Terra, em razão do

Sabemos, entretanto, que a destruição abusiva irá desaparecer, paulatinamente, da Terra, em razão do progresso moral e intelectual do ser humano. Atualmente já existe um número significativo de indivíduos e organizações, espalhados pelo mundo, seriamente trabalhando para que a vida no Planeta se desenvolva num clima de equilíbrio, o que demonstra uma conscientização mais ampla a respeito desse assunto.

CONCLUSÃO: Há duas formas de destruição no Planeta: uma é benéfica, a outra é

CONCLUSÃO: Há duas formas de destruição no Planeta: uma é benéfica, a outra é abusiva. A primeira [. . . ] não passa de uma transformação, que tem por fim a renovação e melhoria dos seres vivos. KARDEC. Allan. O livro dos espíritos. Questão 728, p. 389. A segunda, não prevista na lei de Deus, resulta da imperfeição moral e intelectual do homem, em razão da predominância [. . . ] da bestialidade sobre a natureza espiritual. Toda destruição que excede os limites da necessidade é uma violação da lei de Deus. KARDEC. Allan. O livro dos espíritos. Questão 735, p. 391.