CASAMENTO CELEBRAO INVALIDADES BEM DE FAMLIA GISELDA MARIA

  • Slides: 14
Download presentation
CASAMENTO. CELEBRAÇÃO. INVALIDADES. BEM DE FAMÍLIA. GISELDA MARIA FERNANDES NOVAES HIRONAKA PROFESSORA TITULAR DE

CASAMENTO. CELEBRAÇÃO. INVALIDADES. BEM DE FAMÍLIA. GISELDA MARIA FERNANDES NOVAES HIRONAKA PROFESSORA TITULAR DE DIREITO CIVIL D FACULDADE DE DIREITO DA USP

CASAMENTO • Ato formal, público e solene. • O celebrante declara, mas os nubentes

CASAMENTO • Ato formal, público e solene. • O celebrante declara, mas os nubentes é que se casam. • Publicidade – formalidade essencial: • Celebração civil: no cartório. Se em imóvel particular ou igreja, deve ser ambiente acessível a qualquer pessoa. • Testemunhas: duas, ao menos. Se em imóvel particular ou igreja, devem ser em número de quatro. Se um dos nubentes não souber ler, será necessário um número de quatro testemunhas. • Consentimento : livre – “SIM”.

CASAMENTO POR PROCURAÇÃO • Um ou mesmo os dois nubentes representados. • Instrumento público

CASAMENTO POR PROCURAÇÃO • Um ou mesmo os dois nubentes representados. • Instrumento público – 90 dias. • Revogação – por outro instrumento público. • Se o mandante falecer antes da celebração – casamento inexistente (e não inválido).

ARREPENDIMENTO • Arrependimento: até o momento da celebração, suspendendo-a. • Não é preciso justificar.

ARREPENDIMENTO • Arrependimento: até o momento da celebração, suspendendo-a. • Não é preciso justificar. • Retratação do arrependimento – celebração pode ser retomada, se no prazo de 90 dias da data em que foi extraído o certificado de habilitação pelo oficial de registros.

AUTORIDADE CELEBRANTE • O juiz de direito ou o juiz de paz. • Termos

AUTORIDADE CELEBRANTE • O juiz de direito ou o juiz de paz. • Termos fixados por lei (art. 1535 CC) • É o Estado que declara, em nome da lei. • Celebrante religioso não opera a celebração civil, nestes termos. Mas pode haver reconhecimento de efeitos civis para o casamento religioso. • Registro: o oficial lavra o assento de casamento logo após a declaração.

CASAMENTO EM SITUAÇÃO EXTREMA • Nubente acometido de doença grave: • Oficial irá até

CASAMENTO EM SITUAÇÃO EXTREMA • Nubente acometido de doença grave: • Oficial irá até o local onde se encontra o doente, mesmo à noite. • Se não puder ir, nomeia substituto. • Duas testemunhas. • O substituto lavra termo avulso de celebração. • Leva a registro, em até 5 dias, com as duas testemunhas.

CASAMENTO EM SITUAÇÃO EXTREMA (cont. ) • Nuncupativo: iminente perigo de vida (guerra, conflitos

CASAMENTO EM SITUAÇÃO EXTREMA (cont. ) • Nuncupativo: iminente perigo de vida (guerra, conflitos armados, calamidades naturais). • Sem autoridade competente. • Nubentes declaram vontade perante seis testemunhas (não pode: linha reta e colateral de 2º grau). • As seis testemunhas deverão confirmar perante autoridade judicial mais próxima, no prazo de 10 dias. • Se o enfermo convalescer – ratifica o ato.

CASAMENTO PUTATIVO • Putativo – vem do latim “puto”, putare”, pensar • Boa-fé –

CASAMENTO PUTATIVO • Putativo – vem do latim “puto”, putare”, pensar • Boa-fé – desconhecimento a respeito da invalidade do casamento, infringindo: • Impedimentos matrimoniais (nulo). • Causas suspensivas (anulável). • Produz todos os efeitos até a sentença de invalidação. • Os efeitos civis só aproveitam ao cônjuge de boa-fé. • Os filhos têm iguais direitos, independentemente da boa-fé ou não (CF - § 6º do art. 227).

INVALIDADE DO CASAMENTO • A teoria das nulidades dos atos jurídicos (ou negócios jurídicos)

INVALIDADE DO CASAMENTO • A teoria das nulidades dos atos jurídicos (ou negócios jurídicos) não se aplicam à perfeição, ao casamento. • O casamento (para além dos negócios jurídicos) tem por objeto situações existenciais, além das meramente patrimoniais. • Por isso, a regência das invalidades matrimoniais tem regras próprias: “É A FORÇA DOS FATOS SOBRE OS PRINCÍPIOS DE DIREITO” (Paulo Lôbo)

NULIDADE DO CASAMENTO • Depende de decisão judicial. • Não admite interpretação extensiva. •

NULIDADE DO CASAMENTO • Depende de decisão judicial. • Não admite interpretação extensiva. • Legitimados: os interessados e o MP. • Interessados: o outro cônjuge, parentes, credores. • Se não houver a promoção, o casamento prossegue, produzindo efeitos. • Só o juiz pode decretar a nulidade (provas).

A AÇÃO DE NULIDADE É IMPRESCRITÍVEL • Quando pode ser proposta? Dois casos: •

A AÇÃO DE NULIDADE É IMPRESCRITÍVEL • Quando pode ser proposta? Dois casos: • Quando o casamento foi contraído por pessoa com grave enfermidade mental, em tal grau que lhe tenha retirado todo o discernimento para os atos da vida (antigo art. 3º , II). E agora, com a alteração legal de fevereiro de 2019? • Quando um ou ambos os cônjuges tiverem incorrido em impedimento matrimonial (exemplo: bigamia). • Efeitos da decretação de nulidade do casamento retroagem até a data da celebração (ex tunc) – art. 1563 CC. • Retroatividade relativa: certos efeitos persistem, como por exemplo os negócios concluídos com terceiros de boa-fé que, nesta condição, adquiriram direitos.

ANULABILIDADE • Nulidade relativa • Diz respeito apenas a interesses individuais e não a

ANULABILIDADE • Nulidade relativa • Diz respeito apenas a interesses individuais e não a interesses de ordem pública, como nos casos de nulidade absoluta • Depende da promoção, pelos interessados, dentro dos prazos decadenciais • Após esses prazos, o casamento se convalida • A anulação do casamento não retrotrai à data da celebração (ex nunc) e permanecem íntegros todos os atos cometidos

HIPÓTESES DE ANULABILIDADE • São sete – e correspondentes prazos decadenciais: • Menor de

HIPÓTESES DE ANULABILIDADE • São sete – e correspondentes prazos decadenciais: • Menor de 16 anos (salvo cumprimento de pena ou casos de gravidez – e agora, com a alteração legal de fevereiro de 2019? ). Prazo decadencial – 6 meses. • Entre 16 e 18 anos – sem autorização conjunta dos pais ou tutor legal (salvo se houver suprimento judicial). Prazo decadencial – 6 meses. • Erro essencial sobre a pessoa do outro cônjuge (desconhecimento no momento da celebração). Prazo decadencial – 3 anos. (cont. )

HIPÓTESES DE ANULABILIDADE (cont. ) • Ainda que capaz, não esteja em perfeita condição

HIPÓTESES DE ANULABILIDADE (cont. ) • Ainda que capaz, não esteja em perfeita condição de discernimento (drogas, por exemplo) no momento da celebração. Prazo decadencial – 6 meses. • Procurador com mandato inválido ou revogado (desde que não tenha havido coabitação). Prazo decadencial – 6 meses. • Celebração por autoridade incompetente. Prazo decadencial – 2 anos. • Se houver coação para ser dado o consentimento. Prazo decadencial – 4 anos.